Ferragens para móveis, estofados, cozinha, revestimentos e sistemas de mobiliário.

Notícias sobre produtos, empresas, tecnologias e feiras de produção e comercialização de ferragens para móveis, acessórios para móveis e produtos semi-acabados para móveis.
A economia do design na Itália no relatório da Fundação Symbola
A Itália é o país europeu com maior número de empresas a operar na área do design: cerca de 30 mil com 61 mil trabalhadores e um valor acrescentado, gerado em 2020, igual a 2,5 mil milhões de euros. Milão é confirmada como a capital do design com 18% de valor agregado e 14% de funcionários na Itália. 57% das empresas de design integram em seu projeto aspectos relacionados à durabilidade do produto, 43,4% à redução de materiais, 34% à reciclabilidade e 31,4% à reparabilidade.

É o que decorre do Relatório “Design Economy 2022” apresentado no passado dia 20 de abril pela Fundação Symbola, Deloitte Private e POLI.design, com o apoio da ADI, CUID, Comieco, Logotel, AlmaLaurea e o patrocínio do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Internacional.

O ADI Design Museum de Milão sediou a apresentação do Relatório que teve entre os palestrantes Ermete Realacci, presidente da Fundação Symbola, Ernesto Lanzillo, Líder Deloitte Private, Francesco Zurlo, presidente da POLI.Design e Reitor da Escola de Design, Luciano Galimberti , presidente da ADI, Maria Porro, presidente do Salone del Mobile, Domenico Sturabotti, diretor da Fundação Symbola, Carlo Montalbetti, gerente geral da Comieco, Loreto Di Rienzo, cofundador do Grupo Dyloan, Cristina Favini, diretora de design e estrategista Logotel e Antonio Casu, CEO Italdesign Giugiaro.

 

Design, alavanca fundamental para o futuro do setor

"Em meio a uma transição verde e digital - disse Ermete Realacci, presidente da Fundação Symbola, - acelerada pela pandemia e pela invasão da Ucrânia, o design é mais uma vez chamado a dar forma, significado e beleza ao futuro. Muitos aspectos da nossa vida, assim como muitos setores, mudarão, desde a metamorfose da mobilidade para modelos compartilhados, interconectados e elétricos, até os processos de descarbonização e a economia circular que estão mudando as relações da indústria e da cadeia de suprimentos, chegando a produtos que , num contexto de recursos cada vez mais escassos, terão necessariamente de ser redesenhados para se tornarem mais duráveis, reparáveis, reutilizáveis”.

"Em nosso país - disse Ernesto Lanzillo, Deloitte Private Leader - o design pode ser uma alavanca fundamental para repensar e orientar a estratégia de toda a organização empresarial a partir de uma perspectiva sustentável. Todo o setor pode ajudar a redefinir o futuro das empresas de todos os setores, especialmente as do Made in Italy, mas para isso precisamos pensar em ações direcionadas, que permitam que as realidades do Design continuem crescendo, fortalecendo sua estrutura e desenvolvendo uma cultura empresarial".

 

A economia do Design: uma fotografia na Itália e na Europa

O relatório mostra que o setor tem 30.000 empresas que geraram um valor agregado de 2,5 bilhões de euros em 2020 com 61.000 funcionários. As empresas de design estão distribuídas por todo o território nacional, focando-se em particular nas áreas de especialização do Made in Italy e nas regiões da Lombardia, Piemonte, Emilia - Romagna e Veneto, onde se encontram 60% das empresas. Entre as províncias destacam-se Milão (15% empresas e 18% valor acrescentado nacional), Roma (6,7% e 5,3%), Turim (5% e 7,8%). As empresas operam para 44% para os países estrangeiros (8,9% extra UE), para 45% na escala nacional, enquanto para os 10,8% na escala local.

 

Milão, a capital do design

A principal capital do design italiano é Milão: a capital lombarda concentra 18% do valor agregado do setor no território nacional. Afinal, Milão também abriga o Salone del Mobile e o Fuorisalone, os maiores eventos do mundo dedicados ao design. Em geral, porém, empresas e profissionais de design exercem suas atividades principalmente em centros metropolitanos, onde têm a oportunidade de desfrutar de maior visibilidade nacional e internacional. De facto, quatro em cada dez empresas de design operam no estrangeiro (44%, 8,9% fora da UE), enquanto as restantes operam principalmente a nível nacional (45%) ou, em menor grau, apenas à escala local (10, 8 %). 

Outro aspecto significativo e distintivo do design italiano emerge da análise, a saber, a relação direta com o cliente: a grande maioria dos entrevistados (86%) de fato interage diretamente com os empresários e a alta administração. No que diz respeito aos serviços solicitados, as empresas declaram que prestam essencialmente aconselhamento em aspetos estilísticos (58%) e processuais (25%), enquanto a consultoria estratégica representa 10%.

 

Design e transição ecológica: sustentabilidade como motor de crescimento

O Relatório "Design Economy" deste ano dedica um capítulo à relação entre o setor italiano e a sustentabilidade. Os resultados da pesquisa realizada para a edição de 2022 do relatório são muito interessantes.

Enquanto a maioria dos designers e empresas de design se sentem globalmente preparados para o assunto, declarando competências de nível elevado (33,9%) e médio (55,1%), a oferta para a sustentabilidade centra-se atualmente na durabilidade (57,6%) e em segundo lugar na redução de o uso de matérias-primas e energia (43,4%)

O ponto de encontro entre a oferta e a procura de serviços de design já se concretiza hoje no design com matérias-primas mais sustentáveis ​​e na optimização da utilização de recursos. Entre os setores que impulsionam a demanda por serviços de design sustentável estão sobretudo os setores Made In Italy, em primeiro lugar o setor moveleiro (70%), seguido pelo setor automotivo (56%), pelo imobiliário - cerâmica, pisos, até os elementos estruturais - (38%), vestuário (30%) e agroalimentar (13,3%).

A crescente consciência ambiental e a crescente importância que o mercado atribui aos aspectos ambientais está estimulando o compromisso com um futuro sustentável no ecossistema empresarial italiano. Isto é demonstrado por vários exemplos concretos implementados tanto por associações, como a Federlegnoarredo, com o seu "Decálogo" que mapeia a procura de serviços de ecodesign ou Comieco, com a investigação das características das embalagens utilizadas pelos restaurantes, como por empresas e designers.

 

Formação italiana na área do Design

No que diz respeito ao sistema de formação, o Relatório revela que está distribuído por todo o país com 81 institutos credenciados pelo Ministério da Educação: 22 universidades, 16 academias de belas artes, 15 academias legalmente reconhecidas, 22 institutos privados autorizados a emitir graus AFAM. ( Ensino Superior em Arte e Música) e 6 ISIA (Institutos Superiores de Indústrias Artísticas). Para um total de 291 cursos, distribuídos em vários níveis de formação e em diferentes áreas de especialização. Inclui excelências como o Politecnico di Milano, primeiro entre os países da UE e 5º no mundo de acordo com o prestigiado QS World University Rankings by Subject no setor de design. Posteriormente, o Instituto Europeu de Design (IED) e a Nova Academia de Belas Artes (NABA) mantêm um papel importante na formação de designers. Ao todo, 9.362 designers foram treinados; destes, dois terços residem no Norte, sobretudo na Lombardia (49,8%).

Este ano, graças à colaboração com Almalaurea e o Career Service do Politecnico di Milano, há novas informações sobre a situação do emprego cinco anos após a formatura e cinco anos após o primeiro relatório de design da Fundação Symbola. A primeira estimativa da taxa de emprego dos graduados de mestrado de cinco anos em design retorna um valor de 90%, superior à média do total de graduados de mestrado de dois anos na Itália; destes, 84% têm uma profissão condizente com a área do design.