BUSCA NO SITE

Bonus Móveis: uma panacéia para toda a cadeia de suprimentos

Bonus Móveis: uma panacéia para toda a cadeia de suprimentos

Com a introdução do Mobiliário Bonus em 2013 (Decreto 63, de 4 de Junho de 2013), as instituições italianas aceitaram o convite das empresas para apoiar o consumo interno para reativar a economia. Essa medida, que oferece a possibilidade de deduzir 50% da compra de mobiliário para um gasto máximo de € 10.000 em relação a uma grande reestruturação, tem provado ser uma medida fiscal pode promover a luta contra o desemprego, para apoiar um sector crucial do Made in Italy, garantindo o Estado uma substancial e imediatas receitas do IVA.
De acordo com estimativas elaboradas pelo Centro de Estudos FederlegnoArredo, de fato, até o final de 2014 será de pelo menos 10 mil trabalhadores na Móveis Madeira cadeia de suprimentos que mantiveram seus empregos graças ao mobiliário Bonus. Ao mesmo tempo, as vendas geradas dall'incentivo levará a uma despesa total de 1.900 milhões de euros, gerando uma receita fiscal adicional de € 360.000.000.
"A introdução em 2013 do Mobiliário Bonus - o Presidente da FederlegnoArredo Roberto Snaidero - tem sido uma bênção para Móveis de Madeira, com seus 430 mil funcionários é um dos setores mais importantes da Itália. Por isso, estamos gratos ao Governo por ter acreditado. No final do ano será de pelo menos 375 mil contribuintes que usaram a dedução entre 2013 e 2014 Um verdadeiramente extraordinário, com efeitos positivos sobre o emprego no setor, permitindo assim uma poupança na demissão de cerca de 40 milhões de euros. Face a estes números, a medida também se estendem a 2015 é absolutamente vital. "
Já em dezembro do ano passado, durante uma conferência de imprensa, no final do ano, FederlegnoArredo tinha destacou os efeitos positivos da medida, requerida pela Federação e por todos os jogadores mais importantes do setor: os sindicatos FENEAL UIL, CISL FILCA, FILLEA CGIL - e representantes da distribuição Federmobili e ANGAISA. Hoje, graças aos dados relativos às declarações fiscais da CAF 730 CISL, CGIL, UIL e da CAF 50 & MORE, com quem as federações assinaram um acordo em dezembro de 2013, as previsões feitas são totalmente confirmada.

Tags


histórias relacionadas<